Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



28
Out14

O TOCAR DOS SINOS

por Alento

Os sinos tocaram. Eram sensivelmente 6h da tarde. De curiosidade acertiva, o ponteiro marcava os 55 minutos. Confirmaram-me no outro dia, a vizinha do R/C, à porta da igreja, que eram as "Avé-Marias". Mas afinal que pessoas serão estas que se arrastam por razões mais ou menos funebres? 

Já era de noite. As luzes apontavam para lugares incertos, e a minha dúvida continuava lá. Cinco minutos depois interrompida, de novo, por aquele som. Na ausencia de livros, aventurei-me pela blogoesfera e deparei-me com algo de interessante. Não pelo cariz, mas pela profundidade histórica.

Tentei viajar no tempo, algumas décadas atrás. Eram 22h, e o recolher obrigatório teria sido ainda antes do pôr do sol, logo após às Trindades. A privação religiosa submetia-se a um silêncio assustador. Das profundezas da terra resuscitavam almas penadas, bruxas, lobos, demónios...  

As noites de Inverno eram sempre mais penosas. O nevoeiro, misterioso, anulava qualquer acaso. E entregavam-no ao destino de um rosário. Ouvia as brasas da lareira a arrefecer e escondia a cabeça.

As angústias, as tristezas, os desalentos, as perdas do dia morriam ali. Naquela escuridão, naquele recatamento. Longe de tudo e de todos. 

Não sou católico mas hoje compreendo. Há algo de enigmático nos lugares de oração. Talvez a quietude, a mesma daquelas noites. Aquela que nos obriga a purificar o espírito até ao tocar das almas.



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2015
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2014
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ